Mulher com dois dedos na boca em cima do vaso com a tampa aberta.

Bulimia: Conheça as causas, consequências, sintomas e tratamento do distúrbio alimentar

Bulimia O que é?

A bulimia ou bulimia nervosa é um transtorno alimentar em que o indivíduo consome descontroladamente uma quantidade grande de comida, em um episódio de compulsão alimentar e após o ato, a pessoa tenta compensar o exagero provocando o próprio vômito ou usando laxantes para impedir o ganho de peso. A bulimia leva as pessoas a ficarem constantemente preocupadas com a aparência, especialmente com o peso. O distúrbio costuma afetar principalmente mulheres adolescentes e jovens adultas.

Mulher com Bulimia magra em cima de uma balança com uma sombra de uma pessoa obesa na parede.

A bulimia é um distúrbio de imagem, em que o indivíduo não consegue aceitar o próprio corpo como ele é, ou enxerga o seu corpo sempre acima do peso em níveis acima da realidade. Isso pode levar a pessoa a apresentar ansiedade, o que faz com que o indivíduo busque maneiras de perder peso de forma rápida e busque conforto na comida, simultaneamente.

Causas

Não existe uma causa exata de bulimia. Por ser um distúrbio alimentar, há muitos fatores envolvidos nos motivos da ocorrência da bulimia.

Entre as possíveis causas desse transtorno alimentar, estão a influência da mídia sobre o padrão de beleza e o comportamento. O desprezo às pessoas acima do peso pela indústria da moda e da beleza e o culto ao corpo magro leva milhões de pessoas no mundo todo a desenvolver quadros de bulimia.

Sintomas

Bulimia - Mulher com o dedo dentro da boca com a boca aberta (simulando forçar o vômito).

Pessoas com bulimia costumam apresentar diversos sintomas físicos e comportamentais. Mas eles são difíceis de serem identificados pois o paciente tem um peso adequado normalmente e um comportamento social normal. Confira os sintomas:

  • Comer bastante comida escondido
  • Usar diuréticos e laxantes regularmente
  • Não engordar mesmo comendo muito
  • Ir ao banheiro com frequência após as refeições
  • Praticar atividade física exageradamente
  • Sentir angústia e culpa após comer excessivamente
  • Calosidade no dorso da mão
  • Inflamações na garganta com frequência
  • Menstruação irregular
  • Aparecimento recorrente de cáries dentárias
  • Dores abdominais e inflamações no sistema gastrointestinal constantemente.

Consequências

A bulimia pode gerar diversas consequências e complicações:

  • Desidratação
  • Desnutrição
  • Desgaste dos dentes
  • Inchaço nas bochechas
  • Insônia
  • Mudanças de humor e depressão
  • Ausência da menstruação
  • Refluxo e feridas no esôfago
  • Prisão de ventre crônica.

Fatores de risco

Diversos fatores psicológicos, genéticos, familiares, culturais, sociais e traumáticos que podem representar fatores de risco para o desenvolvimento da bulimia. A genética pode ser um fator de risco para o aparecimento do distúrbio, mas ainda não se sabe se é devido ao fator genético que predispõe a bulimia ou ao comportamento familiar que favorece o transtorno alimentar.

Tratamento

Mulher numa consulta com um psicólogo.

O tratamento de bulimia e a resposta do indivíduo ao tratamento depende da gravidade da doença. O tratamento dever ser feito com profissionais da área da saúde para evitar complicações da bulimia quando ela não é logo tratada.

Distúrbios do sono. Saiba mais.

  • Psicoterapia: A Terapia Cognitiva Comportamental é o principal modo de avaliar os seus sentimentos e aprender a pensar de outro jeito para confrontar as situações e os sentimentos que podem estar associados à alimentação. As sessões de terapia são voltadas para o entendimento das relações pessoais ou para mudanças na vida pessoal e profissional ou para momentos difíceis passados pelo paciente, com o objetivo de fortalecer os relacionamentos com amigos e familiares, que podem dar o apoio necessário para superar a bulimia. Atenção: Caso a pessoa apresente sintomas de propensão a automutilação ou suicídio, sendo preciso que o paciente fique internado para prevenir danos ao próprio corpo.
  • Acompanhamento nutricional: Ele é feito para esclarecer dúvidas sobre as calorias dos alimentos e da alimentação, mostrando para a pessoa como fazer escolhas alimentares saudáveis para beneficiar o controle ou a perda de peso, não colocando a saúde em risco, pois geralmente, pessoas com bulimia possuem um peso normal ou ligeiramente acima do seu peso ideal. O nutricionista elabora um plano alimentar para fornecer todos os nutrientes fundamentais para o bom funcionamento do organismo, respeitando o estilo de vida e as suas preferências, para não haver ganho de peso.
  • Medicações: O médico também pode prescrever remédios antidepressivos, como Fluoxetina, para auxiliar no controle emocional do distúrbio. Depois de 2 a 10 semanas, é fundamental para voltar ao médico aliviar os efeitos de remédios e ajustar a dose dada. Atenção: Em casos de problemas de coração, fígado ou rins e epilepsia, antidepressivos são contraindicados.

Tem cura?

A bulimia é uma doença com uma recuperação difícil, mas é possível curá-la. O distúrbio tem efeitos a longo prazo. Algumas pessoas apresentarão sintomas, mesmo com o tratamento. Indivíduos que tenham menos complicações e que tenham vontade e que podem participar da terapia apresentam chances maiores de recuperação.

Lembre-se: É fundamental seguir sempre as orientações dadas pelo médico, além de frequentar grupos de apoio e ter paciência consigo mesmo!

https://www.redalyc.org/html/3924/392437848021/

http://revodonto.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1981-86372010000300017&script=sci_arttext&tlng=pt

http://www.scielo.br/pdf/rpc/v37n3/v37n3a04

Deixe uma resposta