Uma pessoa medindo a barriga muito magra com uma fita métrica.

Anorexia: Saiba mais sobre o distúrbio alimentar

O que é Anorexia?

A Anorexia ou Anorexia Nervosa é um distúrbio alimentar caracterizado pela distorção da autoimagem, pela obsessão com o peso e pelo medo intenso de ganhar peso, mesmo quando a pessoa está abaixo do peso. O indivíduo se olha no espelho e se enxerga gordo, mesmo que esteja muito magro (a). O que pode levar a pessoa a fazer jejuns prolongados, dietas extremas, atividades físicas exaustantes e o uso de diuréticos e laxantes para não ganhar peso.

Causas

A anorexia não tem uma única causa específica, porém fatores psicológicos, biológicos e ambientais podem estar relacionados ao aparecimento da doença. Os hormônios e o genes também podem ter um papel no desenvolvimento da doença. Além disso, atitudes sociais que estimulam um corpo muito magro também podem estar entre as causas possíveis de anorexia.

Sintomas

Mulher com Anorexia, um garfo olhando para o prato que tem somente uma ervilha.

  • Magreza exagerada.
  • Não comer perto de outras pessoas.
  • Ir ao banheiro após as refeições frequentemente.
  • Ter muito medo de engordar ou ficar acima do peso ideal, até quando a pessoa está abaixo do peso normal.
  • Cortar a comida em pedaços pequenos ou somente movê-los no prato ao invés de comê-los.
  • Ter uma imagem corporal bem distorcida.
  • Perda da resistência óssea.
  • Recusar-se a admitir a gravidade da perda do peso.
  • Pele amarelada ou manchada, seca e com pelos finos.
  • Depressão.
  • Focar muito na forma corporal ou no peso.
  • Não aceitar manter o peso considerado normal para a sua altura e idade. Normalmente, indivíduos com anorexia estão 15% abaixo do peso normal.
  • Sentir bastante frio, usando várias camadas de roupas para ficar aquecido (a).
  • Praticar exercícios o tempo todo, até quando o tempo está ruim ou a pessoa está ocupada ou machucada.
  • Não menstruar por 3 ou mais ciclos.
  • Desgaste dos músculos e perda da gordura corporal.
  • Boca seca.
  • Usar remédios para diminui o apetite (comprimidos para perder peso), evacuar (laxantes e enemas) e para urinar (diuréticos).

E quais os fatores de risco?

  • Mulheres apresentam mais chances de apresentarem a doença, em virtude dos padrões de beleza impostos pela mídia. Porém nos últimos anos, o número de homens com anorexia vem aumentando, devido ao aumento da publicidade e da mídia sobre o padrão ideal de beleza masculina. Mesmo assim, as mulheres ainda são mais atingidas com a anorexia.
  • Mudanças grandes na vida e na rotina, como mudança de trabalho, de escola ou de casa, morte de um parente querido ou términos de relacionamento podem levar ao aparecimento de distúrbios alimentares, como a anorexia.
  • Histórico familiar, pois ter um parente que tenha ou já teve anorexia pode elevar as chances de desenvolver anorexia.
  • Adolescentes, pois a anorexia é comum em adolescentes, em virtude das mudanças que ocorrem no corpo e na mente na adolescência e da pressão social que existe nessa fase. Porém, pessoas de qualquer idade podem apresentar anorexia. No entanto, a doença costuma ser rara em indivíduos acima de 40 anos.
  • O ato de ganhar ou perder peso, pois podem gerar reações diversas, desde elogios até críticas. Esses comentários podem levar a pessoa a fazer dietas mais extremas e ao aparecimento da bulimia.

Tratamento

Terapia em grupo. Aparecem somente as pernas e as mãos das pessoas.

O principal obstáculo no tratamento da anorexia é o indivíduo admitir que tem uma doença. A maioria das pessoas não admite que tem um distúrbio alimentar. Normalmente, a pessoa inicia o tratamento quando já está em estado grave.

Dieta dos Pontos

Em geral, o paciente com anorexia necessita de vários tipos de tratamento. Os propósitos do tratamento são recuperar os hábitos alimentares e o peso corporal. Existem várias medidas para o paciente ganhar peso:

  • Diminuir os exercícios físicos.
  • Aumentar as atividades sociais.
  • Usar programas de alimentação.

Diversos pacientes iniciam o tratamento com uma curta permanência no hospital para um acompanhamento diário. Porém, pode ser preciso que o indivíduo tenha a sua permanência no hospital prolongada em casos de:

  • A pessoa ter perdido muito peso (menos de 70% do peso corporal ideal para a sua altura e idade). Casos de subnutrição grave, em que a pessoa pode correr risco de vida, o paciente pode precisar ser alimentado por um tubo de alimentação no estômago ou por meio de sonda venal.
  • O paciente seguir perdendo peso, mesmo com o tratamento.
  • Aparecerem complicações médicas, como o surgimento de baixos níveis de potássio, confusão ou problemas cardíacos.
  • O indivíduo apresentar grave depressão ou tiver pensamentos suicidas.

O tratamento de anorexia é difícil e requer um trabalho árduo do paciente e de seus familiares. É necessário ter persistência e paciência pois as pessoas podem desistir do tratamento caso tenham esperanças não realistas de serem “curados” só com a terapia. São utilizados vários tipos de terapia para tratar pacientes com anorexia e tanto a terapia de grupo, a terapia familiar e a terapia comportamental cognitiva individual são eficazes. O propósito da terapia é modificar o comportamento e os pensamentos do indivíduo para incentivá-lo a ser mais saudável. Além disso, grupos de apoio também podem fazer parte do tratamento.

Tem cura?

Pessoa puxando uma "gordurinha" da barriga chapada.

A anorexia é uma doença que pode ser fatal, ela leva a morte em cerca de 10% dos casos. Os programas de tratamento podem auxiliar as pessoas a voltarem para o peso normal, mas é comum a doença voltar. As mulheres que apresentaram a doença ainda jovens, possuem mais chance de recuperação. Entretanto, a maioria dos indivíduos com anorexia continuam preferindo um peso corporal mais baixo e ficam focados nas calorias e nos alimentos.

O controle do peso pode ser difícil, e pode ser preciso um tratamento a longo prazo para a pessoa manter-se num peso saudável.

Atenção!

Nunca se automedicar, pois somente um médico pode dizer qual remédio é mais indicado para o tratamento, assim como a duração do tratamento e a dosagem adequada, e não interromper o uso de medicações sem instrução médica.

http://www.jped.com.br/conteudo/00-76-S323/port.pdf

http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.462.2442&rep=rep1&type=pdf

Deixe uma resposta